Perfil

SIC

MÚSICA: Conheça os nomeados a melhor música do ano

Barbara Tinoco, Dino d’Santiago, Carolina Deslandes, The Black Mamba e Clã estão na corrida ao globo, saiba porquê.

Falam-nos de amor, e da vida com dialetos que as emoções decifram sem necessidade de dicionários ou tradutores, e graças a elas enchem-se os dias com poesia.

Para Bárbara Tinoco, cantautora e um dos mais recentes fenómenos musicais, o grande passo foi a sua participação no The Voice Portugal. E se talento era aquilo que o programa procurava, encontrou-o na voz da jovem Bárbara Tinoco e ainda nos seus dotes de compositora. Antes Dela Dizer que Sim, tema que apresentou ao mundo, de sua autoria, emocionou o júri do concurso muito antes de terminar a sua singela atuação. Um avô poeta, uma loja de instrumentos musicais gerida pela família, uma indomável veia criativa e assim se esboça um guião inspirador. De número de apresentação a primeiro single, Antes Dela Dizer que Sim foi o embrião de tudo o que se seguiu e seguiu-se muito. Mais singles, concertos, colaborações artísticas e os míticos Coliseus, já em agenda. E pensar que tudo começou com a doce história de dois apaixonados com cara de parvos!

Funaná is the new funk.” Esta é a frase que se pode ler na sweatshirt que Dino D’Santiago exibe no videoclip do tema Kriolu e apetece mesmo dizer “how cool is that?” Não se trata apenas de um apelativo adereço visual. Ainda que os ritmos africanos comandem o beat, o statement resume bem o som miscigenado do disco Kriola, do qual o tema Kriolu foi o primeiro a ser apresentado, em abril de 2020. Nascido em plena pandemia, Kriolu e Kriola, cantados em crioulo, pois claro, não são apenas música de encher a alma. São elos de ligação com as raízes, com a família e os afetos, substrato primeiro e último da felicidade individual. Uma verdade que o isolamento tornou gritante e que serviu de inspiração ao músico de Quarteira, que com este álbum quis homenagear a família e as suas origens. Estar longe e desejar estar perto, é disso que se trata. Kriolu, tema criado em parceria com Julinho KSD é, por tudo isso, um hino de tudo aquilo que sentimos cá dentro durante todo este tempo de bizarrias feito.

Ainda se saboreava o EP Mulher e já lá vinha Por Um Triz. Este foi o tema que Carolina Deslandes, no seu tom doce, no habitual registo de perfeita dicção, defendeu no Festival da Canção 2021, acompanhada por Diogo Clemente, na guitarra, e Sandra Martins, no violoncelo. O tema, de sua autoria, como sempre, lutou renhidamente pelo primeiro lugar, que os Black Mamba acabariam por conquistar. O sucesso, porém, não vive apenas de lugares no pódio e ainda bem que assim é. O tema ganhou vida fora do palco da 55.ª edição do Festival da Canção, da RTP, e para memória futura fica a interpretação da jovem cantautora, uma das mais representativas e talentosas artistas do novo rosto da música nacional. Mais de meio milhão de visualização no Youtube são representativos do sucesso de Por Um Triz junto do público.

Love Is On My Side é uma das músicas mais faladas e ouvidas dos últimos tempos, e com ela defenderam os Black Mamba um lugar ao sol em Roterdão, nos Países Baixos, onde decorreu a edição deste ano do Festival Eurovisão da Canção. Pela primeira vez, Portugal fez-se representar por um tema integralmente cantado em inglês, pela voz de Pedro Tatanka, vocalista da banda. O tema arrecadou o 12.º lugar no certame, e catapultou o grupo para um lugar de destaque, dentro e fora do país. Com um groove muito próprio, equilibrado na fusão soul, blues e funk, que caracteriza a sonoridade do agrupamento, e pautado pela breve rouquidão do vocalista, o tema vingou, fazendo agora parte da banda sonora de 2021.

Há muito que fazemos parte deste Clã, uma das mais célebres e proeminente bandas da nossa contemporaneidade, e há muito, também, que nos habituámos à parceria de Sérgio Godinho com a banda do Norte. Tudo no Amor, que traz os Clã a esta lista de nomeados na categoria de Melhor Música é um dos temas que o cantautor escreveu para Véspera, nono álbum de estúdio do grupo, lançado em 2020. Uma compilação de originais que contou com outras colaborações de peso, entre elas Samuel Úria, Carlos Tê, Capicua e Arnaldo Antunes. Sobre a letra, escrita antes da pandemia, mas que premonitoriamente dela parece falar, Sérgio Godinho esclarece, em entrevista à Visão, que versa sobre a dicotomia entre luz e sombra e a força do amor para acender luzes em nosso redor. O tema conta com música de Hélder Gonçalves, compositor, arranjador e diretor musical que, a par de Manuela Azevedo, vocalista, são os rostos mais mediáticos dos Clã, composta ainda por Miguel Ferreira, Pedro Biscaia, Pedro Rito e Fernando Gonçalves.

Parece que o que nos salva é mesmo o amor, principalmente quando resulta em música.

nas redes

pesquisar