Perfil

SIC

Resumo: 2º Episódio - 23 de fevereiro (terça-feira)

Pai de Fátima perde a cabeça ao saber que o filho morreu e acaba por ser preso.

*OS RESUMOS DOS EPISÓDIOS ESTÃO SUJEITOS A MUDANÇAS EM FUNÇÃO DA EDIÇÃO DA NOVELA

Mariana está estarrecida com o silêncio de Tomás, que não sabe o que fazer. Acaba por ceder e diz que sim, que casa com ela. Mariana fica muito feliz e quer já marcar a data, mas ele não quer apressar as coisas. Fica no desalento de Tomás.

Fátima vai ao encontro do pai, que está a trabalhar na desobstrução das estradas. Desesperada, conta que Artur morreu. Silvério fica em choque e começa a andar para trás, como quem não quer ouvir mais nada.

No hotel, Gustavo está aflito. Carlota tranquiliza-o, diz que vai correr tudo bem, que as famílias protegem-se e que Artur era só um pastor bêbedo. Gustavo lembra que ele tem uma filha e Carlota diz que na aldeia todos vão cuidar dela, não vai ficar desamparada.

Silvério não entende como aconteceu, enquanto vê os paramédicos levarem o corpo do filho. A GNR e Teodoro examinam o local. Este explica que pode ter sido suicídio, ou acidente, já que a chauffage do carro estava ligada e pode ter havido inalação de monóxido de carbono dentro do carro. Mas só a autópsia pode confirmar. Fátima, em lágrimas, diz que têm de contar a Anabela.

Tomás encara o irmão. Pergunta se ele matou Artur. Este diz que não e que não percebe onde Carlota foi buscar essa ideia, mas Tomás diz que viu imagens, Carlota filmou-o a arrastar o corpo de Artur. Gustavo percebe que está nas mãos dela.

Gustavo conta que não devia ter ido atrás de Artur quando o viu aos gritos com Carlota. Conta que deu com ele na pick up, na serra. Tentou alertá-lo para o que estava a fazer só por causa de um contrato de queijos podia levar a aldeia toda ao fundo. Disse-lhe que ele não podia desenterrar um segredo daqueles, que compromete todos. Artur não se importou e quando virou costas para voltar a entrar no carro, visivelmente alcoolizado, disse que ia contar a todos. Gustavo tenta detê-lo, diz que ele não pode contar, os dois caem e Gustavo corta-se numa mão com uma pedra. Dá um soco a Artur, que não volta a mexer-se. Gustavo percebe que ele está morto. Liga a Carlota a pedir ajuda, que segue para o local. Dá-lhe instruções para simular que foi um acidente, mas filma tudo o que Gustavo faz. Guarda o telemóvel e diz para ligar o aquecimento da pick up de Artur, já com o corpo lá dentro, ligar o carro e fechar as janelas. Gustavo limpa tudo que possa deixar vestígios de impressões digitais, apanha o cachecol de Artur, caído no chão, e saem do local.

Tomás diz ao irmão que devia ter ligado para ele que teriam feito as coisas de outra maneira. Gustavo diz que ele tinha o telemóvel desligado. Tomás conta que viu-se obrigado a aceitar casar com Mariana.

No palacete, Salvador conta que a casa está penhorada. Guida não recebe ordenado há três meses e diz que será ela a escolher os horários a partir de agora. Manel tem esperança de reverter a situação. Salvador quer contar à mãe sobre a situação precária da família.

No burel, Elvira recebe uma chamada e fica a saber que o sobrinho morreu. Sãozinha diz que faz o trabalho por ela, para ela ir já para junto da família. Moisés elogia a atitude de Sãozinha como amiga.

Fátima acaba de contar a Anabela que o pai morreu. A menina está muito triste e Fátima tenta ser forte perante ela. Silvério, pensativo, diz que a culpa é dos Pereira Espinho, diz a Rosalinda que ouviu a Carlota ameaçar Artur.

À porta do hotel, Silvério destrói o mobiliário de jardim com a retroescavadora e exige falar com Carlota. Esta vem e ele chama-a de assassina. Diz que não sai dali sem saber a verdade. Carlota manda chamar a polícia. Ele avança com a máquina e derruba um muro, fazendo Carlota cair ao chão. Fátima intercede e coloca-se entre a máquina do pai e Carlota. Pede-lhe que pare.

Tomás pergunta a Mariana por Carlota, mas são chamados à entrada do hotel. Quando chegam, veem o guarda Valter a apontar uma arma a Silvério, enquanto Fátima tenta acalmar os ânimos. Silvério acaba por desligar a retroescavadora. Carlota acorda e Mariana corre para a mãe. O guarda algema Silvério e Carlota grita que ele a tentou matar. Fátima jura vingança a Fernando e Carlota se descobrir que são responsáveis pela morte do irmão. Tomás segue-a, enquanto Mariana e os pais já entraram no interior do hotel. Ele diz que quer ajudar, mas Fátima, em lágrimas, diz que o irmão morreu e ele não pode trazê-lo de volta. Ele abraça-a e Fátima deixa-se ir naquele abraço.

Fernando quer perceber o que podem ter a ver com a morte de Artur. Questiona-se se ele terá cometido suicídio por causa do negócio dos queijos. Carlota desvaloriza e não responde. Mariana e Fernando em cuidados com os ferimentos de Carlota.

Guida está no lounge do hotel e pede uma bebida. Está vestida com as roupas de Carminho. Nicolau reconhece-a e conta-lhe que Artur morreu e Silvério foi preso.

Fátima visita o pai na cela do posto da GNR. Explica que o juiz vai decidir o que fazer com ele. Acusam-no de tentativa de homicídio a Carlota. Silvério tem a certeza que a família Pereira Espinho matou Artur e lembra da ameaça que Carlota fez ao filho. Fátima diz que vai saber a verdade.

Rosalinda vê que Anabela está muito triste. A sua tentativa de a distrair na queijaria não resulta e decide levá-la dali. Tomás chega, nesse instante, à procura de Fátima, fica surpreso quando percebe que a menina é filha de Artur. Anabela dá-lhe um cartão da Moagem Da Fraga com o contacto de Fátima.

Carlota acaba de receber curativos na suite de hotel. Mariana acha melhor cancelar o jantar de noivado no mesmo dia, mas Carlota quer manter. Fernando, compassivo com a família Neto, acha que podem ficar mal vistos se a família tiver dividas. Acha que Artur pode ter cometido suicídio por essa razão. Mariana diz que não têm culpa se eles tiverem dividas e Carlota concorda com Mariana. Diz que não vão reconsiderar os negócios.

Tomás diz a Carlota que quer acabar com a farsa. Acha que Carlota premeditou tudo por ter filmado. Esta diz que filmou para se proteger. Dá um anel de noivado para ele oferecer a Mariana, presumindo que ele não tratou disso.

Silvério está a ser interrogado pelo juiz. Conta que Artur foi ameaçado por Carlota e que só usou a retroescavadora para fazê-la falar. Diz ao juiz que sabe que devia estar arrependido, mas o seu filho será vingado.

Carminho queixa-se que já não há champanhe e pede a Salvador que vá buscar o vinho branco. Salvador não adia mais a conversa e conta à mãe que estão falidos e que a casa agora é do banco. Carminho finge sentir-se mal e quando acorda diz que sonhou que estavam falidos.

Aida e Moisés preparam-se para o jantar de noivado. Gustavo diz que não vai e Aida diz que também preferia não ir, que Tomás ainda no dia anterior disse que a relação dele com Mariana não estava bem. Moisés diz que a família Pereira Espinho detém 30% da empresa deles e com este casamento a sociedade deles fica mais consolidada e se Tomás se quer casar é porque é de livre vontade.

Fátima não sabe o que fazer com as dívidas que vai ter de pagar. Elvira diz que ajuda no que ela precisar apesar de não terem dinheiro. Ivone não conseguiu saber quando é que o corpo de Artur pode ser levantado para o funeral. Fátima recebe uma chamada a informar que Silvério vai continuar preso. Fátima pede a Nicolau para a levar à patroa dele.

Decorre o jantar de noivado e Carlota chama a atenção para algo que Tomás tem para dizer. Nesse momento, Fátima avança pelo corredor da casa, indicada pelo Nicolau, e entra na sala no preciso momento em que Tomás está de joelho no chão a pedir Mariana em casamento.

nas redes

pesquisar